1- Como descrever a importância da relação cliente / advogado:

A base de um bom relacionamento entre um advogado e seus clientes é a confiança. Essa confiança deve ser mútua: o cliente deve concordar em confiar no advogado que defende seus direitos, da mesma maneira que o advogado é responsável perante o cliente. Uma relação que evolui desde o primeiro contato até a resolução da causa.

2- Quais são os critérios para a escolha de um advogado?

  • A área de intervenção do advogado: indispensável, permite que o cliente entre em contato com um advogado competente para o seu problema jurídico.

  • Honorários: O orçamento pode ser limitado. Faça atenção com os honorários muito elevados, se este critério for importante. Em todo o caso, o cliente deve conversar com o advogado que escolheu para saber mais sobre facilidades de pagamento, por exemplo.

  • O endereço do escritório: poder entrar em contato com seu advogado por e-mail ou telefone é interessante, mas talvez o cliente precise se deslocar ao escritório deste advogado, escolher um advogado estabelecido próximo ao endereço do cliente é por vezes um critério importante, não o negligencie!

  • As línguas faladas: particularmente importante para certos clientes, todos os cidadãos devem ter o mesmo acesso a justiça e escolher um advogado que fale a sua língua para facilitar a resolução e compreensão do caso em apreço.

3- Quanto pode custar?

O montante dos honorários fixados pelo advogado é livre. Portanto, é indispensável se informar desde o começo da relação: somente o advogado pode informar sobre as tarifas que ele pratica .

O preço do seu serviço não é, portanto, fixo e leva em consideração vários aspetos:

  • A carga de trabalho do advogado;

  • A complexidade do caso;

  • A necessidade de intervenção de peritos;

  • A notoriedade do advogado no seu domínio de intervenção.


Os honorários devem ser fixados desde a primeira consulta com o advogado, se o cliente decidir confiar sua causa a este. É sempre possível negociar, mas as tarifas de um advogado são geralmente determinadas de avanço pelo gabinete.

O advogado pode propor o pagamento de seus honorários de várias formas:

Um valor horário, ou seja, uma hora de trabalho de um advogado será cobrada uma certa quantia (por exemplo, 200 € / hora).

Cada advogado pode aplicar sua própria tarifa horária. Durante o procedimento, o advogado solicitará adiantamentos, levando em consideração o número de horas já trabalhadas em seu caso. No final, sua fatura será composta pela tarifa horária multiplicada pelo número de horas trabalhadas.

Um preço fixo pode ser estabelecido, especialmente quando o advogado não pode definir o número de horas necessárias para resolver o seu caso com precisão suficiente. Neste caso o advogado pode propor um preço fixo, levando em consideração as horas trabalhadas, bem como as várias formalidades (diligências) que ele deverá cumprir, por exemplo, para ter documentos assinados por um notário. Isso geralmente acontece no contexto de um divórcio, por exemplo: o advogado leva em consideração a situação do cliente e oferece um preço fixo.

4- Como conheço a área de competência adequada ao meu caso?

Certamente o cliente já ouviu falar em direito de família ou direito comercial. Alguns direitos são auto-explicativos o suficiente para entender seu escopo, enquanto outros, menos comuns, referem-se a areas às vezes mais complexas.

Em caso de dúvida, entre em contato com um advogado em uma área que pareça próxima da situação jurídica em apreço. O profissional do direito poderá indicar-lhe se trata da área correspondente ou orientar outro colega que se ocupe da área pretendida.

5- Modalidades de consulta jurídica:

  • Presencial com hora marcada;

  • Online ou telefone com hora marcada;

  • Exposição por email.